31 maio 2008

DESASSOSSEGO CLIMÁTICO


As primeiras chuvas de inverno vindas ainda no outono, levam ladeira abaixo qualquer intenção social como que sem respeito.

Ventos altos chiando em coisas paradas, barulhando coisas presas, arrastando coisas móveis, erguem entre as queixas irregulares da chuva, palavras ausentes de protesto anônimo, sons tristes e quase raivosos de desespero sem alma.

30 maio 2008

histórias curtas

¨¨às vezes eu fico um tempão sem sair e me pergunto: Por quê?
Daí eu saio, volto fedendo a cinzeiro de cigarro barato e entendo...
e tem gente que sai sempre e insiste em usar perfume importado...
tsts...
me poupe""

""Ju entrando para o mundo da malhação, ou melhor, MUSCULAÇÃO: Amiga, queijo branco é considerado proteína?""

""Kika entrando para o mercado de trabalho: Amiga, o que é número do PIS?""

LUXO?

PORTO DE BARCELONA

Corrida por La Rambla

beijo me escreve...

15 maio 2008

conexão lisboa

( A TAP só contrata funcionárias com bigode, que deve acompanhar o tom do cabelo. Voe TAP:)

As comissárias da TAP são portuguesas deveras mal-humoradas.

Taí um tipinho que sei lidar como ninguém. Cara feia nunca me assustou.


Chegada em Lisboa.

Imagina uma fila imensa para imigração.

Agora multiplica por três.

...

Liguei o celular imediatamente.

Minha mãe consegue ter culpa mesmo estando do outro lado do oceano.

Que me importa a hora que é no Brasil.

Minha mãe merece ouvir por ainda não ter arrumado os papéis que me darão direito a meu passaporte alemão.
Faz cinco anos que peço! E só ELA pode fazer isso!

Não pega.

A TIM NÃO PEGA!

A tim é uma m...

...

Estou viajando sozinha e a trabalho, me dou o direito de ficar indignada e me dou o direito de não ser observada:

- Quando viajamos pra Europa dá uma vontade de ligar pra dizer "oi, estou na Europa" pra alguém, né? Parece que fica sem graça se ninguém sabe...

Não. Eu não estou ouvindo isso da criatura que se coloca atrás de mim nessa fila IMENSA. Não. É um delírio de quem não pregou o olho a viagem inteira.

Me viro só com a cabeça e solto um meio sorriso com o canto direito da boca.

Esse cara não me conhece. É comum eu não avisar a família que estou viajando, muitas vezes os amigos íntimos ficam sabendo na última hora. Quando me ligam convidando pra almoçar e respondo: "Oi, hoje não posso, estou na Costa do Sauípe trabalhando". Ora, francamente! Ligar pra dizer"oi". Affe.

Quando começo a achar que vou passar mal na fila, gritam (sim, no aeroporto de Lisboa parece não ter alto-falante): "alguém na fila está no próximo vôo para Barcelona?"

Passo na frente de todos com um ar triunfante.

O sujeito folheia meu passaporte:

- Vais à Barcelona a passeio?

Eu, sorriso no rosto:

- Sim, ainda não conheço a capital da Cataluña.

- Voltas quando? Ficas onde?

- Dia 19 à noite. Hotel Meridien.

- Pelo jeito viajas bastante, o que tens contra nossa Lisboa que nunca a visitaste?

- Sempre quis conhecer Portugal. Acontece que ouvi alguns boatos de que os portugueses não gostavam muito dos brasileiros...o que falando contigo percebo ser uma grande injustiça.

- Pois trata-se de uma grande bobagem. Deves esquecer isso e apreciar nossa cidade.

- Já está na minha lista. Lisboa será a próxima com certeza.

- Tenhas uma boa estadia em Barcelona.

- Obrigada.

(digamos que eu fui a pessoa que mais rápido foi atendida)

Atendentes da imigração. Taí outro tipinho que sei lidar como ninguém.

Cara feia nunca me assustou.


13 maio 2008

o que tenho visto por aí


Ok, estou em débito com esse espaço.

Resolvi fazer um blog porque, como jornalista, considero a escrita meu ponto mais frágil.

Pensei: um blog é um espaço despretensioso onde a ordem é livre.

Nem ao menos organizo meus posts por assunto.

Como blogueira que sou, acabo lendo blogs diversos e confesso que tenho achado o povo meio chato.

...

e como estou lendo um clássico de Hemingway, sei que ser chato na escrita não tem nada a ver com a história que se está contando.

Na verdade, para o bom escritor o que menos interessa é o que se conta, mas como se conta,

e tem muita gente contando histórias até interessantes, viagens a lugares fantásticos, experências um tanto quanto curiosas ao grande público, porém, de uma forma inteiramente sem graça.

VIVAS aos editores de textos, que conseguem tirar água de pedra de muito texto por aí!!!!

Por estar tão decepcioada com o que tenho lido, e por minha crítica estar deveras aguçada, tenho preferido não escrever. Por hora.



Achei interessante lembrar as palavras de Gabriel Priolli: "Atenção jornalistas de Tevê, o jornalista vale pelo o que escreve!" (ou como escreve)

08 maio 2008

IMAGEM É TUDO?



NÃO CUMPRIMENTE O PINGÜIM

Imagem não é tudo




LOCAL PARA PESSOAS COM DEPRESSÃO PROFUNDA
(precisamos ter sentimentos ao decifrá-las!)

deixo claro que minha fonte foi o Marcos




EM CASO DE GENITAIS EM CHAMAS, MANTENHA-SE ATRÁS DO RETÂNGULO BRANCO

Placas que encontramos mundo afora...


PERIGO: AVIÕES QUICANDO NA PISTA
(qualquer semelhança com Congonhas...)

...e seus gloriosos significados


USE UM ESTILO INOVADOR DE QUEDA AO DESPENCAR DO BARRANCO

digamos que ele é um ótimo repórter investigativo...


ANTES DE USAR UM CHAPÉU DE NAPOLEÃO, OBSERVE SE SUA


BICICLETA TEM DUAS RODAS

-Entendeu? -Não... - Quer que eu desenhe?


EM CASO DE ONDA SUBTERRÂNEA ENCONTRE UMA FAMÍLIA SEM COTOVELOS

sorry, não resisti...


FAIXA EXCLUSIVA PARA HOMENS MARSHMALLOW

não sei como ele chega a essas informações...




ACENE AO SER ENGOLIDO PELO METRO

04 maio 2008

Carta a J.

Eu posso imaginar a sua perturbação, a sua solidão.
Você pensava que, se o amor fosse aquilo, se um casal fosse aquilo, seria preferível viver sozinha e nunca se apaixonar.


Você não tinha nenhum lugar que fosse seu no mundo dos adultos.
Estava condenada a ser forte porque todo o seu universo era precário.
Eu sempre senti, ao mesmo tempo, a sua força e a sua fragilidade subjacente.
Eu gostava da sua fragilidade superada, admirava sua força frágil.
Nós éramos, eu e você, filhos da precariedade e do conflito.
Fomos feitos para nos proteger mutuamente contra ambos, e precisávamos criar juntos, um pelo outro, o lugar no mundo que originalmente nos tinha sido negado.

02 maio 2008

Onde você estava com a cabeça na hora do terremoto?

Se tu é como eu, retirante sulino, que abandonou sua terra para "viver" em São Paulo, eu tenho certeza absoluta que tu não precisa de internet, tevê ou i-phone para se informar sobre o que acontece aqui na paulicéia.
Porque tu tens a "tua mãe".
Sim, foi ela que ligou quando uma lotação foi engolida na construção do Metrô Pinheiros, quando o avião da TAM (que vinha de Porto Alegre!!!!) explodiu em Congonhas, e quando uma menina indefesa foi jogada pela janela.
Ela liga quando chove demais e o Rio Pinheiros transborda, liga quando não chove há algum tempo, a poluição se torna muito elevada e o ar quase irrespirável.
E claro, a sua, assim como a minha mãe ligou quando São Paulo tremeu.
- Alô?
- Minha filha! Como tu tá? (minha mãe grita no telefone, sempre)
- Bem mamis e tu?
- Juliana? Teve um terremoto aí em São Paulo (entra Willian Waack falando sobre o acontecido)
- Aí, mãe, hein? Furando a TV Globo.
- Tu não tá sentindo?
- Claro que não mãe, não senti nada...
- Ai, Juliana...tu sempre distraída...capaz de cair a casa na tua cabeça e tu nem perceber...
- Ok, mãe, ninguém sentiu...(ao que Roberta retruca da sala)
- Olha, eu senti!...
- Viu! Tudo acontece aí nessa cidade, olha quanta tragédia desde que tu foi praí!! No Rio também, só desgraça, é epidemia de dengue, violência, pai matando filho... é o final dos tempos, minha filha, e vai começar por aí...tu sabe que aqui a qualidade de vida é muito melhor, pelo menos o trânsito anda, não explode aeroporto ou metrô...olha, Juliana, sinceramente, eu não sei, não sei o que tu viu nessa cidade...aqui pelo menos tá perto da família...mas não, parece que tu gosta de viver no olho do furacão!
(suspiro)
- Ok, mãe! A região sul do Brasil é realmente muito legal, mas pelo menos aqui quase todo mundo que eu conheço SABE como funciona um GPS, e nem por isso tem a BRILHANTE idéia de sair voando em balões de aniversário. Ou seja, me identifico mais com a loucura daqui. Sorry.
(silêncio)
...
- Tudo bem, minha filha. Fica com Deus.
- Amém! Te amo mãe!
(com Deus e longe de padres!)

Excesso de zelo amoroso

Não, eu não vou acusar o pai, a madrasta, a insensibilidade da mãe ou a frieza do avô paterno.
Não.
Pra mim esse caso já tem sua solução e se encerra em si.
Não há mais o que ser dito.

Eu vou falar sobre um sentimento que sempre me incomodou e que eu acredito ser responsável por uma quantidade infinita de problemas nos relacionamentos: o ciúme.
Esse que acredito ser um dos sentimentos mais estúpidos que existem.
O ciúme nunca tem bom senso e sempre age na espreita.
E acredite ou não, se tu és do tipo ciumento, não mede esforços pra descobrir "alguma coisa", seja ela qual for, exista ela ou não.
A pessoa ciumenta é de uma insegurança irritante. O fato de ter ou não filhos, não amadurece esse tipo de criatura, que tem uma carência tão insuportável que, na maioria das vezes, não aguenta a pressão de ter alguém dependendo dela, precisa ser sempre a dependente.
Enfim.
A infantilidade já adulta do ciúme me causa náuseas. Nunca consegui ter um relacionamento saudável com esse tipo de pessoa que, eu acredito sim, pode partir para qualquer tipo de ignorância ao ser contrariada.
É preciso haver muita cumplicidade ciumenta para que o caso dê certo. E ainda assim, tudo pode dar errado.

Lembrando o poeta maldito, Glauco Mattoso, isso trata-se apenas de um desabafo individual.