02 agosto 2010

Solidão e silêncio

Conheço poucas pessoas que apreciem tanto a solidão e o silêncio como eu.
Porque falam muito alto. Porque conversam em demasia no telefone.
Combinam encontros e marcam jantares.
Rabugentísse à parte, confesso um pouco de inveja. Não do excesso de companhia e conversas, mas do apreço exaustivo de ambas. Queria, por vontade própria, tomar tal iniciativa. Mas sempre preferi não.
E não é que eu tema ser contrariada e ver todas as minhas crendices colocadas à prova.
Conheço poucos que demonstrem maior questionamento às próprias certezas do que eu mesma.
E acredito que o silêncio tenha maior poder para modificar opiniões pré-estabelecidas do que conversas entre iguais.
A solidão e o silêncio tem um requinte quase maior do que o de um casal que ainda não oficializou o seu desejo.
É por essa solidão que passam as lembranças em branco e preto. E é o silêncio que as tornam bem mais dignas de um roteiro do que elas verdadeiramente foram.
Aquela casa, aquela rua, aquela cidade pequena.
Os sorrisos, as lágrimas e os sorrisos por debaixo das lágrimas.
Enquanto escrevo simulo um ideal que apenas a companhia felina e Blue Moon podem burlar.
E bebo mais um gole de vinho. Escrevo mais um pouco. E minto mais um pouco.
E a vida segue.

4 comentários:

LúGreen disse...

gosto, assim, da tua maneira de escrever!

[ we ] disse...

o silêncio é um luxo (tag). sim, concordo. mas gosto que partilhes o teu silêncio aqui.as palavras falam por ti.

Anônimo disse...

Se posso pretensamente comparar seu sentimento ao vinho puro, orgânico, natural que o sol, a luz e a sombra transformam as propriedades. Com o silêncio confortando e formando a distância de uma solidão. E palavras presas por desencontros marcados. Palavras. Garantias. Sossego e solidão... um véu que esconde a verdade imperecível num porão. Que mantém a qualidade, mas também lhe adiciona aroma, sabores e complexidades. (S) Gostei muito, parabéns. Me trouxe antigas lembranças, um pouco de coragem e inspiração.
--------------------

cherrytati disse...

As ilustrações parecem tão reais, parecem tão Juliana.